Avançar para o conteúdo principal

InterGoView { Take 4 } - Por amor à Arte, com Ana Maria Costa



De volta também às entrevistas, em Setembro sentamo-nos à conversa com a Ana Maria Costa.

Falamos de sonhos e de vontade, e de como quando se quer muito, se pode ser o tudo! Sabem aquela pergunta que nos fazem quando somos pequeninos: "O que queres ser quando fores grande?" e como a maior parte das vezes o queremos nunca se torna aquilo que somos? Pois, acontece que se quisermos mesmo, as vontades honestas e verdadeiras da infância podem mesmo durar até a vida adulta, até à chamada vida real!

Venham daí conhecer um bocadinho da historia da Ana e dar um passeio pelas Artes.

1 - Ana, fala-nos um pouco da forma como descobriste que a tua vida profissional tinha de passar pelas artes?

Acho que desde cedo, bem pequena,  adorava desenhar e pintar, era  o que mais me agradava fazer. E era muito sensível, atenta ao detalhe. Mas a descoberta “oficial” foi já na escolha do 9º para o 10º ano nos testes psicotécnicos, apesar de ainda ter tentado fugir às Artes.


2 - Sabendo que não é, de todo, uma das áreas mais fáceis, o que dirias aquelas pessoas que têm um gosto especial seja pela pintura, musica ou representação e a quem a “sociedade” diz que não há futuro profissional nesses sectores?

Eu mesma fui “vítima” desse preconceito da sociedade e tentei fugir das Artes, frequentei o agrupamento de humanidades mesmo sem saber o que iria fazer da seguir, um ano depois, já no inicio do 11º decidi mudar para Artes, onde as notas subiram bastante, percebi que afinal fazer o que se gosta traz resultados. 

Tive também a sorte de ter uns pais que apoiaram essa mudança e incentivaram. Mas aconselho a todos procurarem  fazer o que gostam, terem paciência e serem persistentes. Persistência é a palavra.  De nada adianta ir para uma área profissional que tenha mais saída se não gostarem, nunca serão bons profissionais.




3 - Lá isso é a mais pura das verdades.. Nem bons profissionais, nem pessoas boas e felizes :) Seguimos: associa-se cada vez a prática artística a uma forma de autoconhecimento e descoberta pessoal: qual é a tua opinião sobre este tema?

Concordo, pois enquanto criamos estamos a fazer abstração do stress do dia a dia, de qualquer problema, é como que uma meditação... é um trabalho íntimo, assim se dá a proximidade ao auto-conhecimento.


4 - Para os possíveis clientes do Atelier Pedaços de Arte, o que podemos encontrar aqui? Conta-nos algumas das experiências giras que possas ter tido enquanto professora.

Além de aprenderem técnicas e materiais diversos, encontram também boa disposição, descontração e até um aumento de auto-estima ao elaborarem os trabalhos. 

É uma metáfora para a vida, alunos que dizem que nunca pintaram ou que não têm jeito, que não valorizam o que fazem, quando se deparam com alguns resultados e recebem elogios, sentem-se capazes! É muito positivo, e assim acredito que esta "mudança" também os ajude a superar desafios no  dia a dia. Além disso a pintura estimula e desenvolve o lado direito do cérebro, que é o mais criativo e abstracto.

Em 6 anos de atelier tivemos turmas mesmo descontraídas, momentos de relax e risotas.




5 - E acrescento, aos momentos de relax e risotas, lanches inesperados, festas de aniversário desenrascadas à última hora e amigos que ficaram para além das aulas. Obrigada Ana! E por fim, se tivesses de eleger um artista como o teu preferido, quem escolherias? Frida Kahlo? Miró? Klimt?

Essa é difícil, sou balança (indecisa). ..  ;) .

Penso que conseguia escolher um pintor para cada estilo artístico. Talvez Monet, pela extrema sensibilidade, Van Gogh pela textura, Turner pela captação da luz, Frida Kahlo pela força, Dali pela loucura e Klimt pela sensualidade, e um mais contemporâneo,  Gérard Richter.

Ana, são todos fantásticos e recomendáveis: tenho a agradecer-te a paciência comigo nas aulas e de como com a evolução dos materiais e dos conceitos cresceu também a curiosidade de ler, ver documentários e filmes sobre estes e outros pintores que são uma inspiração como artistas e como pessoas.

E a vocês, Go.Artistas caseiros, arrisquem a criar e a aprender! É um caminho lindo e desafiante. E se precisarem de ajuda, já sabem onde procurar: falem com a Ana Maria Costa, vão dar um passeio pela página do Instagram ou passem pelo Atelier Pedaços D´Arte.

#GoRitaGo
#Criar 
#InterGoView

Comentários

Mensagens populares deste blogue

InterGoView { Take 11} - Sobre a volta ao Mundo com partida em Guimarães

Quem me lê com alguma regularidade já percebeu que eu acredito nas coisas boas da vida e de como, com empenho e determinação, podemos realizar a maior parte das nossas vontades (ou sonhos, como lhes prefiram chamar).
Exemplo disso é a história do Neto e da Lili! Apetece-vos uma historia da volta ao Mundo dos tempos modernos: pois aqui está ela! Porque como disseram eles mesmos:
"É sempre um prazer falar de viagens, em particular da nossa. Era um sonho fazer uma viagem deste género, a nós também nos parecia um sonho difícil de realizar até termos dado os primeiros passos para o concretizar. Só temos esta vida, logo não dá para deixar para depois."

Porto Secret Places & Um duplo piso com sabor à Bretanha

Cada vez me convenço mais que mesmo que a "movida" da Invicta me deslumbre, o que me encanta verdadeiramente ainda são aqueles espaços onde se juntam três factores "de luxo": boa comida, boa bebida e q.b. de sossego.
Talvez por isso tenha ficado tão bem impressionada com o Le Gwenn Ha Du: os crepes são maravilhosos, a cidra é do mais original que se pode querer e consegue-se aquela raridade que é ter uma refeição acompanhada de uma boa conversa - sem multidões, sem salas com mais de 40 pessoas, num ambiente acolhedor e típico.

InterGoView { Take 7 } - A Kate e a sua Wandering Life

Chegamos a Março e a Primavera começa a chegar de mansinho... E o que liga melhor com bom tempo, dias mais compridos, sol e céu azul? Ah pois é! Passeios! 
Por isso mesmo, para a entrevista deste mês desafiei a Catarina Leonardo, autora do blog Wandering Life.
Venham daí também e descubram ideias para as vossas férias. Porque férias, são sempre uma boa inspiração, certo?